Saúde apresenta Plano de Contingência de Arboviroses durante sessão da Câmara Municipal

Secretaria de Saúde

08 de novembro de 2018
Acessibilidade

A Secretaria Municipal de Saúde apresentou o Plano de Contingência Municipal de Arboviroses Urbanas e Febre Amarela 2018 – 2019 durante a sessão desta quarta-feira (07/11), na Câmara Municipal de Mogi das Cruzes.  No evento, foram apresentados também os últimos resultados da Avaliação de Densidade Larvária (ADL), estudo que mostra os focos de infestação de mosquitos Aedes aegypti em toda a cidade.

A ADL é realizada quatro vezes por ano, nos meses janeiro, abril, julho e outubro, sendo que a última está em fase final. Em janeiro, o maior índice de infestação foi registrado na área 4, que compreende bairros como Vila Oliveira, Socorro, Vila Natal, Alto da Boa Vista, Mogi Moderno, Shangai, Centro Cívico, Caputera, Real Park e Conjunto Cocuera. Em abril, a alta se concentrou na área 1, onde estão Jundiapeba, Conjunto Santo Ângelo, Varinhas, 9 de Julho, Parque São Martinho, Pindorama, Barroso, Quatinga e Taiaçupeba. Em julho, os índices de infestações foram satisfatório, com exceção da área 4.

O Plano de Contingência vem sendo atualizado com base nas orientações técnicas repassadas por órgãos como Ministério da Saúde e Sucen - Superintendência de Controle de Endemias e também de acordo com a realidade do município. “Nossa principal preocupação no cenário atual são os catadores informais de materiais para reciclagem e os acumuladores”, adiantou o secretário municipal de Saúde, Téo Cusatis, que esteve na Câmara atendendo a um pedido do vereador Protássio Nogueira.

Cusatis dividiu as explicações com a equipe técnica da Secretaria Municipal de Saúde. O enfermeiro Hector Campos, da Vigilância Epidemiológica, mostrou a evolução das doenças, cuidados necessários e principais ações em andamento. Já a veterinária Débora Murakami, coordenadora do Núcleo de Prevenção e Controle das Arboviroses, mostrou o atual cenário de infestações e diversas imagens de situações encontradas nas vistorias de rotina, com imóveis repletos de materiais inservíveis, lixos e entulhos.

A dengue é uma doença aguda febril que pode ser causada por quatro tipos de vírus e é transmitida pela picada do mosquito Aedes Aegypti. Neste ano Mogi das Cruzes registrou, até o momento, seis casos de dengue. Outras doenças, como Febre Chikungunya, Zika e Febre Amarela também são motivos de preocupação e exigem cuidados contínuos. Em casa, as pessoas não podem descuidar da prevenção ao mosquito Aedes aegypti, , evitando qualquer situação que favoreça o acúmulo de água parada.

O Núcleo realiza as visitas nas casas fazendo a vistoria dos imóveis e orientando os proprietários a adotarem medidas para eliminação de possíveis criadouros ou retirando-os. Já o setor de Vigilância Epidemiológica faz a vigilância da doença e recebe as notificações dos casos suspeitos enviadas pelos hospitais, postos de saúde e outros equipamentos. 

O Núcleo de Controle e Prevenção à Dengue atende pelo telefone 4794-4343 e a Vigilância Epidemiológica pelo 4798-6769